segunda-feira, 24 de abril de 2017

grande

Como país, uma das características da França moderna é o universalismo.  A Revolução Francesa não foi uma revolução dos franceses, mas do homem. As conquistas napoleônicas foram guerras de libertação, de certa maneira, na visão francesa. O racionalismo e o intelectualismo francês eram ideias dos homens. Paris só poderia ser compreendida como centro das artes e das ideias. Não um centro francês, mas mundial. O universalismo francês entrou em crise com a perda relativa da importância universal do país. As ideias de França grande e o colonialismo deixam de ser um projeto universal e podem ser vistas como uma não desistência. De Gaulle é o exemplo da França que não quer mais ser universal, mas "apenas" grande. O país quer ser uma alternativa, não a escolha. Desde a Revolução Francesa, a política francesa é tormentosa e instável. São cinco repúblicas, quatro monarquias, três guerras com a Alemanha. De certa parte, aí, a importância da intelectualidade francesa. Sartre era, independentemente de suas posições políticas, um exemplo da grandiosidade do espírito francês no mundo das ideias. Pois bem, parece que boa parte da França lutar por ser doméstica. A pauta é a substituição da França grande pela fechada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário